Nota de pesar pelo falecimento de Jaider Esbell 02/11/2021


É com muito pesar que o MAM São Paulo recebe a notícia do falecimento do artista Jaider Esbell, curador e artista da exposição “Moquém_Surarî: arte indígena contemporânea“, em cartaz no museu. Lamentamos profundamente a perda e estendemos nossa solidariedade aos amigos e familiares.

Ao longo de sua trajetória, assim como na mostra, Esbell sempre buscou ampliar a visibilidade da arte indígena contemporânea e a luta do povo Macuxi. Esbell se identificava como neto de Macunaíma e abordava em seu trabalho questões ecológicas, socioculturais e políticas, promovendo cosmovisões e narrativas indígenas, além de críticas à cultura canônica da história da arte. Assim, consolidou-se como uma das figuras centrais do movimento de afirmação da arte indígena contemporânea no Brasil, atuando de forma múltipla e interdisciplinar, desempenhando funções de artista, curador, escritor, educador, ativista, promotor e catalisador cultural.

Indígena macuxi, nasceu na região da Normandia, em Roraima, hoje conhecida como Terra Indígena Raposa Serra do Sol. Lá, viveu até completar o ensino médio, mudando-se posteriormente para a capital Boa Vista. A partir de 2010, começou a se dedicar à produção artística, produzindo livros e pinturas, tendo seus trabalhos em uma série de exposições. Em 2021, além de assinar a curadoria da exposição no MAM, na qual também apresenta algumas obras, Jaider teve sua primeira individual, na Galeria Millan, em São Paulo, além de participar também da coletiva Véxoa: Nós sabemos, na Pinacoteca de São Paulo e da 34ª Bienal de São Paulo.