curso online | Encruzilhadas: poesia e artes visuais com Ana Estaregui Como pensar poéticas de procedimento?


Recomende esse curso


Datas: 13, 20, 27 de maio, 03, 10, 17, 24 de junho, 01 de julho de 2021
Horário: das 19h às 21h por videoconferência
Inscrições encerradas

Público: interessados em geral 

Duração: 08 encontros

Curso completo: R$ 640 em até 4 parcelas 

 

Como pensar poéticas de procedimento?

O curso propõe estabelecer trânsitos entre poesia e artes visuais, entendidas como áreas afins que compartilham de procedimentos e processos de criação. Com objetivo de estabelecer diálogos com os participantes, relacionando trabalhos de artistas e poetas contemporâneas(os) lidos enquanto práticas poéticas. O lugar da poesia pensado como impropriedade de seu lugar, mas também de uma ideia de poesia como lugar dessa impropriedade. 

Cada encontro é estruturado em torno de trabalhos de artistas visuais e poetas a partir de eixos temáticos. Ao longo do curso serão lidos e analisados textos e trabalhos que servirão de base para as discussões partindo de uma perspectiva na qual a poesia é enxergada como espaço de acontecimentos em sentido amplo, podendo ocorrer também fora do poema.

Os debates visam alimentar processos criativos de artistas, escritores e estudantes que desejam iniciar ou desenvolver projetos de arte/poesia.

 

Programação

Aula 1 (13/05) | Anarquiteturas ou sobre uma poética do corte:
– cortar, riscar, demarcar;
– o texto como arquitetura;
– sobre a exatidão;
– escrever sem deixar resíduos;
– uma poética do corte (o corte pensado enquanto ética);
– João Cabral de Melo Neto, Amilcar de Castro, Micheliny Verunschk, Gordon Matta;
– Clark, Paulo Henriques Britto, Paulo Leminski, Ítalo Calvino, poetas concretos*

 

Aula 2 (20/05) | A performatividade da escrita: o corpo do texto, o texto do corpo:
– performance e escrita;
– sobre a materialidade do texto;
– distâncias entre arte & vida;
– intuição e improvisação como técnica;
– happenings;
– Ana Cristina César, Marília Garcia, Ricardo Aleixo, Paul Zumthor, Nuno Ramos, Kazuo Ohno, Hélio Oiticica, Adília Lopes, Richard Long, Marina Abramovic*

 

Aula 3 (27/05) | Quando o trabalho é o projeto:
– propostas de escritas coletivas;
– escrever sem escrever;
– apropriação como método;
– quando o trabalho é o projeto;
– arte conceitual
– Bernadette Meyer, Angélica Freitas, Sophie Calle, Cildo Meireles, Sol Lewitt, Nelson Felix, Paulo Bruscky, Eduardo Jorge, Luiz Ruffato, Kenneth Goldsmith, Bas Jan Ader*

 

Aula 4 (03/06) | Se os vazios pesarem mais do que as palavras:
– tocar o espaço do vazio;
– vazios por onde saltam cavalos;
– o peso dos espaços entre;
– espaços de reverberação;
– forma, vazio e vacuidade;
– Orides Fontela, Mira Schendel, Lao Tsé, António Ramos Rosa, Bashô, Helena Almeida, John Cage, Morandi, Prisca Agustoni, Waltércio Caldas, Rachel Whiteread*

 

Aula 5 (10/06) | Modos de falar de si:
– retratos e autorretratos;
– falar de si pelo outro e pelos objetos;
– escritas confessionais;
– não dizer para dizer;
– memória e invenção;
– Wislawa Szymborska, Aline Motta, Ana Martins Marques, Ana Cristina Cesar, Lubi Prates, Sophia de Mello Breyner Andresen, Robert Mapplethorpe, Rosana Paulino*

 

Aula 6 (17/06) | A prática ritual como método:
– o que significa ritualizar?;
– comungar o espaço, evocar objetos;
– sacralizar, dessacralizar;
– magias e macumbas;
– práticas, objetos, lugares;
– Lygia Clark, Marina Abramovic, Ayrson Heráclito, Yasmin Thayná, Carolina Velasquez, Herberto Helder, Joseph Beuys, Ana Mendieta, Richard Long*

 

Aula 7 (24/06) | Como fazer para falar o tempo?:
– o tempo pelo espaço;
– repetição, ritmo e fluxo;
– acúmulo;
– esticar e encolher;
– simultaneidades, o presente;
– Agnes Martin, Júlia de Souza, Carlo Rovelli, Fiama Hasse Paes Brandão, Hijikata, Marília Garcia, Ana Martins Marques, Tomás Saraceno*

 

Aula 8 (01/07) | Cruzar a morte de olhos abertos – a morte como dispositivo:
– organizar o luto;
– vida-morte-vida;
– a escrita de fragmentos;
– wabi-sabi;
– como terminar?;
– Jacques Roubaud, Bispo do Rosário, Roland Barthes, Lívia Natália, Christian Boltanski, Bill Viola, Hilda Hilst, Carla Kinzo*

 

*Exemplos de artistas e poetas que poderão ser tratados em aula.

 

Ana Estaregui (1987) é poeta formada em artes visuais pela FAAP e mestre em literatura e crítica literária pela PUC-SP. É autora dos livros “Chá de Jasmim” (Patuá, 2014) e “Coração de boi” (7Letras, 2016) ambos contemplados pelo ProaC de Poesia, sendo o último finalista do Prêmio Alphonsus de Guimaraens da Biblioteca Nacional, em 2017. Em dezembro de 2018 recebeu o Prêmio Governo de Minas de Gerais de Literatura na categoria poesia. Realiza oficinas livres de criação, participa de projetos de curadoria em poesia e colabora no conselho editorial da Revista Intempestiva.

 

Sócios do MAM têm 20% de desconto. Faça parte!

Estudantes, professores e aposentados tem 10% de desconto

 

Dúvidas:

cursos@mam.org.br 

WhatsApp: 11 99774 3987

 

Legenda:
Mira Schendel , sem título, 1975. Ecoline e folha de ouro sobre papel japonês, 26,4 x 29,7cm. Coleção mam

 

Curso online ao vivo via plataforma de videoconferência. Aulas gravadas disponibilizadas somente aos inscritos e por tempo determinado.
Ao participar desta atividade/evento, você autoriza, de forma gratuita e definitiva, o MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo, a utilizar sua imagem, voz, dados biográficos e sinais característicos, captados em vídeo, áudio, fotografia e prints, para fins de registro, divulgação e promoção das atividades do Museu, em quaisquer meios, veículos, suportes, mídias, métodos e tecnologias, tangíveis ou intangíveis. Caso você não queira que sua imagem seja divulgada, por favor informar o MAM (cursos@mam.org.br). Em alguns cursos as aulas que acontecem na plataforma Zoom poderão são gravadas e disponibilizadas somente aos participantes dessas respectivas aulas com prazo de expiração. O conteúdo da gravação é protegido por direitos autorais e o acesso é permitido unicamente para fins de estudo e de uso exclusivo do participante impossibilitando a sua divulgação ou compartilhamento com terceiros.