Visitas educativas virtuais Agende a sua

Visitas educativas são conversas nas quais é estimulada a reflexão crítica através da arte. Neste momento em que o museu está com uma intensa programação online, o Educativo do mam oferece visitas virtuais em português, Libras, inglês, francês e espanhol. Mais informações logo abaixo. Agenda a sua!

 

Agendamento de visitas virtuais através do e-mail: educativo@mam.org.br

Público-alvo: escolas e grupos a partir de 10 pessoas

Plataforma: as visitas online são realizadas pelo Zoom. O link de acesso pode ser disponibilizado em até 1h antes da visita. Caso o grupo tenha preferência por outra plataforma o mesmo ficará responsável pela disponibilização do acesso em até 1h antes da visita.

Disponibilidade: terças e quintas-feiras às 10h30, quartas e sextas-feiras às 14h30, por agendamento.
Havendo necessidade de agendar visitas em outros horários verifique a disponibilidade através do e-mail: educativo@mam.org.br.

 

Roteiros de visita virtual

Para realizar o seu agendamento escolha abaixo o roteiro de visita virtual de sua preferência.

Visita virtual ao Jardim de Esculturas do mam

O Jardim de esculturas é o acervo permanente a céu aberto do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Sua importância perpassa décadas de aprendizado sobre conservação, mediação no espaço público e ocupação do parque. Nesta visita virtual, a educadora conduzirá a visita remotamente, compartilhando propostas de leitura de obras e de experiências poéticas relacionadas às esculturas.

Projetado por Roberto Burle Marx para receber obras da coleção do MAM, o jardim de esculturas foi inaugurado em 1993 e abriga 30 esculturas numa área de 6 mil metros quadrados, sendo um dos principais acervos brasileiros expostos a céu aberto.


Jardim de Esculturas. Foto: Infoartsp e Frontera Films

 

Visita virtual ao painel de Os Gêmeos

Em 2010 a entrada do mam foi repaginada. O público passou a ser recepcionado pelos seres e cenas coloridas e inusitadas criados pelos grafiteiros OSGEMEOS. A parede entre a porta de acesso e a Sala de Vidro transformou-se, com a intervenção da dupla, em ponto de visita obrigatório no parque. A obra, além de ser instigante e atemporal, contribui para atrair ao museu pessoas de diversas tribos.


OSGEMEOS, Sem título, 2010. Col. mam. Doação Credit Suisse, com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura

 

Roteiros disponíveis a partir do dia 15/09

Visita virtual inspirada na exposição Antonio Dias: derrotas e vitórias

Figura de singular trajetória na arte contemporânea brasileira, Antonio Dias (1944 – 2018) é autor de uma obra multimídia, carregada de engajamento social e político, e de ironia e sensualidade. A mostra reúne obras emblemáticas, muitas delas raramente exibidas, todas advindas do acervo pessoal do artista.

“Ao falecer, em agosto de 2018, Antonio Dias reunira uma coleção das próprias obras que recobria toda sua trajetória artística. O conjunto compunha-se tanto de peças de que ele nunca havia se separado, como de outras recompradas de terceiros para quem tinham sido vendidas. Tratava-se, pois, de uma representação de si mesmo intencionalmente construída, mantida e guardada”, explica o curador.

O título da exposição – Antonio Dias: derrotas e vitórias – remete à gravura que o artista criou para os 20 anos do Clube de Gravura do mam, em 2006, e deriva de imagens de um filme homônimo. As pinturas, desenhos, instalações e filmes que compõem a mostra revelam, também, temas existenciais recorrentes na pesquisa do artista e conferem o caráter testemunhal à sua obra. “Portanto, a coleção que ele formou de si mesmo é uma síntese única, tanto pelo percurso que organiza ao longo das várias fases, como pela declaração dos valores éticos norteadores de sua arte”, conclui o curador.


Antonio Dias, Sem título, 2011. Foto: Vicente de Mello

 

Visita virtual inspirada na exposição Clube de Colecionadores de Fotografia do mam – 20 anos

Colecionar arte é a possibilidade de olhar por um viés fascinante para a diversidade humana. Logo, os museus e suas coleções são espaços democráticos que fomentam a reflexão, a convivência das diferenças, o debate sem dogmas, a formação de repertório. O Clube de Colecionadores de Fotografia do Museu de Arte Moderna de São Paulo, tendo este foco, foi criado em 2000. Ao completar agora 20 anos e 21 edições, reúne obras de 107 artistas que passaram a integrar o acervo do museu e também as coleções particulares de centenas de pessoas que fazem ou fizeram parte do Clube nessas duas décadas. Olhar em perspectiva as imagens que formam o acervo do Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM é uma oportunidade rica e original de conhecer a história recente do país contada por fragmentos que, quando conectados, são capazes de representar múltiplas camadas da nossa cultura, dos anseios e das fraturas de uma democracia que luta por se firmar, da singular beleza natural de seu povo, das possibilidades semânticas da fotografia em espelhar nossa complexidade.


Berna Reale, still do vídeo Cantando na chuva, 2014/15. Col. mam. Foto: Estúdio 17

 

Visita virtual inspirada no projeto parede roçabarroca de Thiago Honório

O Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta a instalação roçabarroca (2018/2020), do artista mineiro Thiago Honório, no Projeto Parede – espaço entre o saguão de entrada do MAM e a Sala Milú Villela. Para a instalação, o artista mineiro reveste as duas paredes que cercam o corredor do Museu com taipa de mão e pau a pique, entrelaçando ripas e toras de madeiras com galhos recolhidos no Parque Ibirapuera e vigas de bambu amarrados por sisal ou cipó.

O título da obra vem do livro e do poema “Roça barroca”, ambos da poeta e tradutora Josely Vianna Baptista (1957). Ao unir as duas palavras, a grafia explicita elementos presentes na instalação, como roça, oca, oco, barro e barroca.

Em roçabarroca, o artista homenageia duas figuras importantes em sua trajetória: Maria Boaventura de Souza, sua avó materna, que viveu em uma casa de pau a pique no interior de Minas Gerais; e Maria de Fátima Boaventura de Souza Andrade, sua falecida tia, que em 1978 registrou a casa em fotografias. Esses mesmos registros levaram Honório a criar, agora, uma fotomontagem, que foi a maior referência para a construção da obra.


Thiago Honório, “Estudos para roçabarroca”, 2018/2020, Lápis de cor e grafite sobre papel, 42 x 60 cm. Foto: Edouard Fraipont

 

mais informações:
(11) 5085-1313
educativo@mam.org.br

 

Essa atividade faz parte do Programa de visitação, com patrocínio Instituto Votorantim.

 

Ao participar desta atividade/evento, você autoriza, de forma gratuita e definitiva, o MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo, a utilizar sua imagem, voz, dados biográficos e sinais característicos, captados em vídeo, áudio, fotografia e prints, para fins de registro, divulgação e promoção das atividades do Museu, em quaisquer meios, veículos, suportes, mídias, métodos e tecnologias, tangíveis ou intangíveis. Caso você não queira que sua imagem seja divulgada, por favor informar o MAM (educativo@mam.org.br).